sexta-feira, 24 de junho de 2011

Compromisso Com a Vida

Photobucket




Não importa a dor ou o momento que você está passando, você tem um compromisso com a vida. Esse compromisso ultrapassa essa fase, essa hora ruim que você pode estar passando.

Tem coisas que nós não podemos evitar. Você constrói uma bela casa na praia, com muitos quartos, varandas e piscina com vista para o mar. Chega um furacão e leva toda a sua casa, seus móveis e seus sonhos em questão de minutos. Será que você poderia evitar esse furacão?

Assim, nós construímos castelos dourados em nossas fantasias e sonhos. Reunimos os melhores móveis de nossa existência e decoramos as nossas casas do jeitinho que nós queremos. As vezes os engenheiros da vida avisam que nosso projeto está errado, que vamos quebrar a cara, mas nós escutamos? Claro que não. Somos teimosos, tinhosos e orgulhosos.

Seguimos em frente contra tudo e contra todos e algumas vezes, fechamos os olhos para não ver o que todo mundo já viu. Então, o furacão da vida chega e sem cerimônia, sem pedir licença, arranca nossos sonhos e joga tudo no chão. Resta o choro, o pranto e a dor.

Quanto mais rápido, você trabalhar na reconstrução da sua "casa", mais rápido a felicidade volta para sua vida. Nesses momentos de reconstrução, os amigos são os melhores ajudantes e apoiadores que precisamos. Amigos são vigas sólidas que qualquer casa necessita.

Não demore para tomar a decisão de reconstruir a sua casa, digo, a sua vida. A dor se torna menor quando não deixamos muitas lembranças em nossa porta. Normalmente a porta da nossa vida é o coração. Que tal limpar a sua porta?

Paulo Roberto Gaefke.
Photobucket

quinta-feira, 23 de junho de 2011

domingo, 19 de junho de 2011

A Arte de Ser Feliz

Photobucket




Houve um tempo em que minha janela se abria
sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.
Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,
e o jardim parecia morto.
Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,
e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.
Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.
E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
Outras vezes encontro nuvens espessas.
Avisto crianças que vão para a escola.
Pardais que pulam pelo muro.
Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.
Ás vezes, um galo canta.
Às vezes, um avião passa.
Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.

Cecília Meireles

Photobucket

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Homenagem










Com Amor e Carinho♥

Photobucket

terça-feira, 14 de junho de 2011

Eu, o menino e o cachorro...

Photobucket





E eu só reclamava da vida...reclamava da noite porque eu não dormia,reclamava do dia porque eu sofria,reclamava do frio que me gelava a alma,reclamava do calor que me atirava ao desânimo.
Para tudo e para todos eu tinha uma resposta,para a minha derrota eu sempre tinha um culpado,para o meu desamor sempre tinha um "alguém",para tudo uma reclamação, eu era o próprio azedume
Ai de quem me criticasse,que apontasse o erro que eu não enxergava,para tudo tinha que haver um culpado,eu era a vítima do sistema, das pessoas, do mundo,eu sempre fui traído, enganado, sofrido...
Carregava aquela cruz pesada de ódio,e eu só reclamava da vida,seja de noite, seja de dia.
Até quem dia, um menino, desses meninos de rua,me pediu uma ajuda, e eu já estava pronto para ofendê-lo,quando ele pegou na minha mão e arrastou-me,se é que um menino tão pequeno teria essa força.No canto da rua ele me mostrou um cachorro muito sujo,que estava com a pata como que quebrada e cheio de feridas.O menino puxou a minha mão e fez chegar perto do cachorro.Ele olhava pra mim e depois para o cachorro,e falou numa voz que eu não consigo esquecer:- Moço, sara ele pra mim! é o meu melhor amigo.
Não sei porque e nem quero saber, mas eu não aguentei e chorei...Chorei como criança, como quem abre uma torneira,como se uma porta que estava fechada há muito tempo dentro de mim,se abrisse escancaradamente...
O menino não entendeu o meu choro e perguntou:- Ele vai morrer moço? è grave assim...
Despertei do meu choro e agarrei aquele cachorro com muito cuidado. Levei-o até a minha casa, poucos quarteirões dali, e tratei daquele cachorro como se fosse um filho, e o menino, que vivia pelas ruas, foi ficando, e cuidou de mim, curou minhas feridas, antes mesmo de eu curar as feridas do cachorro.
Hoje, não reclamo mais de nada,tudo para mim tem um sentido,tudo é perfeito, até o que dá errado.Faz 16 anos que o menino de rua pegou na minha mão,mudou a minha vida, transformou esse ser.Mostrou-me o caminho do amor,amor que restaura, cura, seca feridas, renova,traz esperança, e esperança é o nome do amor.
E esse menino, que hoje me chama de pai,destranca portas e janelas da minha alma todos os dias,quando segura na minha mão e me agradece por cada coisa tão pequena,os banhos, as roupas, a comida, a escola, a adoção,coisas que muita gente tem e não dá nenhum valor,ele me recompensa com carinho e dedicação.
Hoje é a sua formatura, e eu nem sei o que dizer,sou grato a Deus por ele entrar na minha vida,por quebrantar meu coração,e não largar mais a minha mão.
Hoje eu bendigo a vida.Valorize a sua vida, preencha-a com o amor.
Paulo Roberto Gaefke.

Photobucket


domingo, 12 de junho de 2011

Dia dos Namorados



Porque quem ama nunca sabe o que ama

Nem sabe porque ama, nem o que é amar

Amar é a eterna inocência,

E a única inocência, não pensar...






Photobucket

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Escapadinha que custou caro!!!

Photobucket




Um sujeito casado volta de uma viagem de negócios na China, onde ele aproveitou para conhecer algumas garotas de programa.

Dias depois da volta, seu pinto ficou todo verde. Parecia sorvete de pistache: verde e flácido. Ele esconde isso da mulher do jeito que pode, e vai consultar um médico. O médico o examina e sentencia:

- Ahaa...! Você foi para a China! não?

- É verdade.

- E conheceu umas garotas de programa!

- É verdade!

- Infelizmente isso não tem cura. Vamos ter que cortar.

O sujeito não acredita no que ouve, e vai consultar outro médico, mas o diagnóstico é o mesmo.

Em desespero, procura urologistas, especialistas, catedráticos, e todos, sem exceção, confirmam o diagnóstico.

Arrasado e sem saída, decide confessar suas escapadas à mulher que, depois de um tremendo 'barraco', se compadece do marido, e o aconselha a procurar um médico chinês, um especialista em urologia, na própria China. Afinal eles devem estar acostumados com esta doença.
O sujeito volta à China, paga uma nota alta de passagem, e marca uma consulta com o médico mais renomado do país.

Ao examiná-lo, ele dá uma risadinha:

- Hehehehe! O senhol esteve na China lecentemente...non?

- É verdade.

- E o senhol fez bobagens com galotas...non?

- É verdade.

- E o senhol foi ver médico basileilo....non?

- É verdade.

- E médico basileilo disse que telia que cortar...non?

- É verdade.

- Médico basileilo não sabe nada! Non plecisa cortar.

O sujeito nem acredita! Quase desmaia de tanta emoção. Começa a pular pelo consultório.
Abraça e beija o médico. Seu pesadelo acabou!

- Então, existe tratamento para isso?

- Non... non ..... não plecisa cortar ..... Cai sozinho!
Photobucket

domingo, 5 de junho de 2011

Sejam Felizes





Vídeo de Bebel♥
Photobucket